ABRH-RJ
 
            mapa do site  
       

Abril Despedaçado

QUANDO OS PARADIGMAS PODEM SER QUEBRADOS

 

Filme que será exibido e debatido no Congresso RH 2006, mostra que há sempre lugar para o novo

 

por Myrna Silveira Brandão

 

Abril Despedaçado, o ótimo filme do consagrado cineasta brasileiro Walter Salles, será pano de fundo para um Talk Show no Congresso RH 2006, que acontece nos dias 07, 08 e 09 de maio.

 

A história se passa no início do século e segue Tonho (Rodrigo Santoro), filho do meio da família Breves, impelido pelo pai (José Dumont) a vingar a morte do seu irmão mais velho, vítima de uma luta ancestral entre famílias pela posse da terra. Se cumprir a missão, ele sabe que sua vida ficará partida em duas: os  20 anos que ele já viveu  e o pouco tempo que lhe restará para viver. Ele será então perseguido por um membro da família rival, como dita o código da vingança da região. Angustiado pela perspectiva da morte e instigado pelo seu irmão menor Pacu (Ravi Ramos Lacerda), Tonho começa a questionar a lógica da violência, da tradição e da perpetuidade.  Questionamento que ganha mais força ainda quando  dois artistas de um pequeno circo itinerante  cruzam o seu caminho: Salustiano (Luiz Carlos Vasconcelos) e Clara (Flávia Marco Antonio).

 

 O filme é baseado no livro Abril Despedaçado de Ismail Kadaré sobre o Kanum - o código que regulamenta os crimes de sangue na Albânia

A partir do livro de  Kadaré,  Salles faz uma aculturação brasileira do Kanun, resultando em que a história que se passa em abril de 1910, se torne

atemporal e contemporânea.

 

Para melhor fundamentá-la, o co-roteirista Sérgio Machado realizou uma extensa  pesquisa sobre as lutas de família no Brasil, que coincidentemente tiveram o apogeu por volta de 1910 -  na mesma época em que Kadaré situa o seu livro A pesquisa se baseou principalmente no livro lançado nos anos 40 - Luta de Famílias no Brasil - sobre o confronto entre os Montes e os Feitosas no sertão dos Inhamuns no Ceará.

 

A vingança entre famílias ocorre devido à  ausência do estado regulador - como foi o caso dos Pires e Camargos em SP - e  Feitosas e Montes no Ceará Em Abril Despedaçado,  os Breves - são latifundiários da mono cultura da cana - decadentes. Os Ferreiras são latifundiários em expansão - criadores de gado. As mulheres da família são conformistase e embora sofram terrivelmente com a perda de seus filhos, se tornam  coadjuvantes na manutenção do inexorável ciclo da vingança.

 

A libertação e a mudança No momento em que Tonho consegue derrubar as

> barreiras, ele se transforma e consegue alargar sua visão de mundo. Afloram então as questões da fraternidade - da descoberta do afeto - e da redenção trazida pela presença significativa do outro (no caso Pacu, o suporte ético do filme e Clara, a plenitude do amor) Tonho deixa de ser objeto da ação dos outros, evidenciado uma verdade inquestionável: quando não somos sujeitos de nossas ações, deixamos de dominar o presente imediato e  os projetos futuros.

 

Quando Tonho liberta-se daquele domínio e pega outra estrada, ele parte rumo a uma vida nova. Parte em direção ao mar redentor e em busca das emoções por longo tempo sufocadas.

 

Depois disso ele não seria mais o mesmo - a apatia e o conformismo se convertem  em ação e transformação.

 

O filme propicia uma reflexão do nosso papel no mundo como pessoas, cidadãos, profissionais e gestores de pessoas, levando-nos a concluir que as ações que podem transformar são aquelas que transcendem ao próprio indivíduo, são aquelas voltadas não apenas para as organizações, mas também as que se voltam para a comunidade, para a sociedade, para o mundo.

 

O filme propicia igualmente o debate em torno de quais valores devem ser perpetuados e a que mundo ideal do trabalho queremos chegar.

> Para isso, é cada vez mais importante conhecer os valores da organização e se sentir parte da missão.

 

Nesse contexto é fundamental fortalecer a missão histórica do área de RH, que proporcionará o entendimento e a união de todos em torno da cultura corporativa.

 

A exemplo do Tonho de Abril Despedaçado, é o momento em que encontramos eco junto ao outro que podemos determinar o fim dos valores estagnados e da imobilidade.

 

Como o herói do filme, nesse momento deixamos de ser simples objetos e passamos a ser sujeitos da história.

 

Como é brilhantemente mostrado nas sequências da bolandeira  que exprime a repetição circular do tempo.

 

Os personagens do filme  transitavam entre a bolandeira, o tacho da rapadura  e o destino.

 

Tudo seguia a norma, a tradição, o previsível, o cíclico, não havia  lugar para o novo.

 

O trabalho era mecânico e apático como a bolandeira, não pertencia a eles, não havia alegria, nem felicidade na sua realização.

 

O trabalho imposto pelo pai patrão do filme traça um paralelo perfeito com aquelas organizações nas quais não há condições para a criatividade, para a motivação, para a mudança e onde o trabalho repetitivo e sem desafios torna as pessoas desmotivadas, alienadas e, pior que tudo, extremamente infelizes.




ABRH-RJ © 2009 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem prévia autorização.
Produção: Grupo FUTSYS.net .:. Design: Krafthaus